Auxílio emergencial negado: 5 motivos para ter sido reprovado
economia mundial

Auxílio emergencial negado: 5 motivos para ter sido reprovado

Ter o auxílio emergencial negado é um grande banho de água fria para aquelas famílias que já contam com esse recurso para se sustentar durante a pandemia.

No período de isolamento social que estamos encarando, onde muitos não saem de casa sequer para trabalhar, talvez seja a única fonte de renda de alguns pelos próximos meses.

E apesar de o valor de R$600,00 talvez não cobrir toda a renda, já é de bastante ajuda, até que essa situação melhore.



PUBLICIDADE

Então, certamente, o desespero deve bater quando esse benefício é negado, e todos os piores cenários possíveis cruzam sua cabeça.

Dívidas acumuladas, contas no vermelho, a falta de dinheiro para sequer sustentar a casa com os recursos mais básicos e indispensáveis.

Mas não dê o caso como perdido ainda, porque existe, sim, um plano B.

É possível solicitar a reanálise do seu recurso e, nesse artigo, nós vamos te ensinar como.

PUBLICIDADE

Como proceder, caso você tenha seu auxílio emergencial negado?

Nesses casos, é possível solicitar a reanálise desse recurso através do portal da caixa na internet ou do mesmo aplicativo onde você se cadastrou para receber o benefício pela primeira vez.

Como já aprendemos, o download desse app é bem simples de ser feito: basta acessar a loja do seu celular e pesquisar por ‘auxílio emergencial’.

Selecione para baixar aquele que foi desenvolvido e disponibilizado pelo governo federal, para não correr o risco de ter seus dados roubados e usados para fins ilegais.

O período estipulado para a avaliação do seu caso é de cinco dias, podendo se estender conforme a demanda, e são três os possíveis retornos:

PUBLICIDADE



  • Benefício aprovado: Você terá acesso ao recurso emergencial de R$600,00 e receberá as informações sobre como e quando sacá-lo.
auxílio emergencial negado
auxílio emergencial negado
  • Benefício não aprovado: Nessa hipótese, o cidadão pode solicitar a reavaliação.
  • Dados inconclusivos: Quando as informações que você forneceu para o cadastro estão incompletas, equivocadas ou não atualizadas.

Antes de reivindicar a reavaliação, portanto, cheque se todos os seus dados estão informados corretamente.

Erros comuns para ter o auxílio emergencial negado

Alguns dos erros mais comuns que podem classificar sua análise como inconclusiva são:

  • Se intitular um chefe de família sem registrar mais nenhum membro.
  • Deixar de fornecer informações como o sexo do solicitante, documentos essenciais etc.
  • Cadastro incorreto dos documentos dos membros da família, tais como RG e CPF.
  • Registro de uma pessoa que já veio a óbito.
  • Informações divergentes fornecidas por membros da mesma família.

Por isso é importante conferir tudo antes de solicitar novamente o auxílio, para não correr riscos de o seu caso não ser aprovado novamente.

PUBLICIDADE

Depois do primeiro pedido, só é possível fazê-lo mais uma vez. Caso o retorno ainda seja negativo, então quer dizer que seu perfil não se encaixa entre os beneficiados dessa política pública.

 



Conclusão:

Ter seu auxílio emergencial negado logo de primeira não significa que você precise abrir mão de recebê-lo e desistir de uma resposta positiva.

Através desses passos simples, você pode solicitar uma reavaliação do seu caso e, quem sabe, conseguir ter acesso ao recurso nessa segunda tentativa.

Se você realmente precisa desse valor para conseguir se manter pelo menos durante certo período e sabe que se encaixa no grupo que tem direito a recebê-lo, vale a insistência.

PUBLICIDADE

Atualize o app, se for necessário, e se assegure de estar cumprindo corretamente todas as etapas do cadastro.

Lembre-se também de conferir seus dados antes de fazer a nova solicitação, mantê-los sempre corretos e atualizados, para ter certeza de que o fato de seu auxílio ter sido negado não estar relacionado a possíveis erros ali.




Então, o próximo passo é cruzar os dedos e torcer para ter uma resposta positiva, da próxima vez.

Assista esse vídeo:

PUBLICIDADE

Clique aqui e saiba tudo sobre o auxílio emergencial.



PUBLICIDADE

Este post tem um comentário

Deixe uma resposta