Pagamento do Bolsa Família: confira o Calendário de Junho 2020

saque do bolsa família

Quer saber quais as datas do pagamento do Bolsa Família de junho de 2020? Confira neste artigo.

O Bolsa Família é um programa da Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc), que busca dar assistência para famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza. 

Criado em outubro de 2003, ele tem como objetivo garantir, por meio da transferência direta de renda, que essas famílias tenham acesso a recursos básicos de saúde e alimentação e consigam superar a situação de vulnerabilidade.



No Brasil, cerca de 13,9 milhões de pessoas são beneficiadas pelo Bolsa Família. 

O pagamento do Bolsa Família é feito por meio da Caixa Econômica Federal e organizado através de um calendário divulgado também pela Caixa, sendo disponibilizado de acordo com o seu Número de Identificação Social (NIS).

Pagamento do Bolsa Família: Junho 2020

calendário de pagamento do bolsa família de junho 20202
Confira as datas de pagamento do Bolsa Família divulgadas pela Caixa

O dia do pagamento do Bolsa Família é definido de acordo com o último dígito do Número de Identificação Social, que pode ser encontrado no seu cartão do Bolsa Família, e a data da liberação do auxílio pode ser conferida na tabela acima. 



É importante lembrar que o beneficiário só poderá sacar o auxílio a partir da data informada na tabela, e o saque pode ser feito em até 90 dias após a mesma.

Também é possível consultar se o benefício está disponível ligando no Atendimento Caixa ao Cidadão, número 0800 726 02 07, digitando 2 e em seguida 2 novamente. Depois é só digitar seu número NIS.

O saque é realizado por meio do Cartão Bolsa Família, enviado para as famílias selecionadas para receberem o benefício, e pode ser feito em caixas eletrônicos da Caixa, correspondentes Caixa Aqui e casas lotéricas. 

Caso o beneficiário esteja sem o cartão e queira sacar o benefício, é necessário comparecer em qualquer agência da Caixa, levando um documento oficial de identificação e informar que deseja fazer o saque, mas não está com o cartão. 



Quem pode receber o pagamento do Bolsa Família?

O pagamento do Bolsa Família é voltado para famílias que vivam em condição de pobreza ou extrema pobreza.

As famílias extremamente pobres são aquelas possuem renda mensal de até R$ 89,00 por pessoa. As famílias pobres têm renda mensal entre R$ 89,01 e R$ 178,00 por pessoa, e participam do programa desde que tenham gestantes e crianças ou adolescentes entre 0 e 17 anos em sua composição. 

Outros requisitos para o pagamento do Bolsa Família incluem:



  • A inclusão da família, pela prefeitura, no Cadastro Único dos Programas Sociais do Governo Federal;
  • Seleção pelo Ministério do Desenvolvimento Social;
  • No caso da existência de gestantes, é necessário o comparecimento às consultas de pré-natal conforme o calendário do Ministério da Saúde;
  • No caso de mulheres que estão amamentando, é necessária a participação em atividades educativas sobre aleitamento materno e alimentação saudável ofertadas pelo Ministério da Saúde;
  • Se houverem crianças na faixa etária entre 0 e 7 anos, é necessário manter o cartão de vacinação em dia;
  • Acompanhamento da saúde das mulheres na faixa entre 14 e 44 anos;
  • Garantir frequência escolar mínima de 85% para crianças e adolescentes entre 6 e 15 anos, e 75% para adolescentes de 16 e 17 anos.

É importante ressaltar que, uma vez já garantido o benefício, é necessário manter todos os dados da família atualizados. 



Quais são os benefícios?

O valor mensal do pagamento do Bolsa Família compreende a soma de vários tipos de benefícios previstos no programa. 

O tipo e a quantidade de benefícios que cada família recebe vai depender da composição (quantas pessoas, idade, presença ou não de gestantes, etc) e da renda da família beneficiária. 

Os benefícios são:



  • Benefício Básico: no valor de R$ 89,00, é pago apenas a famílias em condição de extrema pobreza (que possuam renda mensal de até R$ 89,00 por integrante da família);
  • Benefício Variável Vinculado à Criança ou ao Adolescente de 0 a 15 anos: no valor de R$ 41,00, é pago a famílias que tenham renda mensal de até R$ 178,00 por pessoa e que tenham crianças ou adolescentes de 0 a 15 anos em sua composição. Para qualificar o recebimento deste auxílio, é necessário comprovar a frequência escolar das crianças entre 6 e 15 anos;
  • Benefício Variável Vinculado à Gestante: no valor de R$ 41,00, é pago para famílias que possuam renda mensal por integrante de até R$ 178,00 e que tenham grávidas em sua composição. São repassadas nove parcelas mensais. Para qualificar o recebimento, é necessário que a gravidez seja identificada pela área de saúde e que a informação seja inserida no sistema Bolsa Família na Saúde.
  • Benefício Variável Vinculado à Nutriz: no valor de R$ 41,00, é pago a famílias com renda mensal de até R$ 178,00 por pessoa e que tenham, em sua composição, crianças de faixa etária entre 0 e 6 meses, para reforçar a alimentação do bebê, mesmo que ele não more com a mãe. São pagas 6 parcelas mensais. Para qualificar o recebimento do benefício, a criança precisa ter seus dados inclusos no cadastro único até o sexto mês de vida. 
  • Benefício Variável Vinculado ao Adolescente: no valor de R$ 48,00, é pago para famílias com renda mensal de até R$ 178,00 por pessoa e que possuam adolescentes entre 16 e 17 anos em sua composição. Para qualificar o recebimento do auxílio é necessário fornecer a frequência escolar do adolescente. Podem ser pagos até dois benefícios por família. 
  • Benefício para Superação da Extrema Pobreza: é pago para famílias com renda mensal de até R$ 89,00 por integrante mesmo após receberem os outros auxílios do programa. O valor do benefício é calculado de acordo com as necessidades da família para garantir que ultrapasse o piso de R$ 89,00 por pessoa. 



Como funciona o cadastro para receber o pagamento do Bolsa Família?

Não existe nenhum cadastro específico para receber o pagamento do Bolsa Família. Para dar entrada no sistema, é necessário fazer o Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. 

Os municípios e o Distrito Federal ficam responsáveis pelo cadastro das famílias, que devem ir ao setor do Bolsa Família, Cadastro Único ou Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) da sua cidade. 

Apenas a inscrição no Cadastro Único não garante a entrada imediata no Bolsa Família. A seleção é feita por meio de um sistema informatizado com os dados oferecidos pelo Cadastro Único. 



A concessão do benefício depende do número de famílias já atendidas pelo município em relação a estimativa da quantidade de famílias pobres na localidade e respeitando os limites orçamentários do governo. 

As famílias selecionadas para o recebimento do pagamento do Bolsa Família recebem uma carta avisando da inclusão no programa. Caso a carta não tenha sido recebida ou seja preciso consultar a situação do benefício, é preciso ligar no Atendimento Caixa ao Cidadão, número 0800 726 02 07. 

Para realizar o saque do pagamento do Bolsa Família, as famílias também recebem um cartão magnético, o Cartão Bolsa Família, emitido pela Caixa Econômica Federal e enviado pelos Correios. 

É importante ressaltar que o Bolsa Família é um programa dinâmico, ou seja, todos os meses, há famílias que entram e outras que saem do programa. As famílias são retiradas do programa por não manterem seus dados cadastrais atualizados ou porque melhoraram de renda, não cumprindo mais com os requisitos básicos para o recebimento do auxílio.



 Notícia importante sobre o Bolsa Família

Antes de falarmos do 13º do bolsa família, vamos a uma informação muito importante que foi noticiada esses dias sobre o bolsa família:

Essa semana, saiu uma notícia nos jornais dizendo que o governo transferiu R$ 83,9 milhões do programa do Bolsa Família para a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom).

As reportagens diziam que este recurso seria destinado para ampliação do programa bolsa família no Nordeste e que este cancelamento atingiria diretamente as famílias mais pobres.

Diante da repercussão que deu essas informações, a equipe técnica do Ministério da Economia, em uma coletiva realizada na sexta-feira, dia 5 de junho, reiterou que a transferência deste recurso para a Secretaria Especial de Comunicação Social não prejudicou nenhum beneficiário do Bolsa Família.



O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues Júnior, afirmou que ninguém terá nenhuma perda por conta desse repasse… pois, segundo ele, 95% dos beneficiários do bolsa família migraram temporariamente para o auxílio emergencial de R$ 600, recebendo um valor até superior do que recebia no bolsa família.

E quando acabar o auxílio emergencial, os beneficiários voltam a receber o valor do bolsa família normalmente, pois todo o recurso está garantido.

O secretário executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, afirmou ainda que a fila do bolsa família foi zerada, colocando mais de 1 milhão e 200 mil famílias para receberem o benefício. Inclusive a maioria delas já entrou direto para receberem o auxílio emergencial de R$600,00.

Veja as parte da coletiva em que os secretários do Ministério da Economia apresentam essas informações que acabei de passar pra vocês.



Décimo Terceiro do Bolsa Família:

Bom, finalmente agora vamos falar do 13º do Bolsa Família.

Para quem não sabe, a Medida Provisória 898 de 2019, que estabelecia o pagamento 13º salário aos beneficiários do Programa Bolsa Família, perdeu a validade em março deste ano. A MP não chegou a ser votada nem na Câmara dos Deputados e nem no Senado Federal.

Em sua live tradicional de quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que, apesar da MP ter caducado, ele irá buscar uma maneira para que se concretize o pagamento do 13º para o bolsa família. E ainda afirmou que os beneficiários do bolsa família ainda terão uma boa surpresa em breve.

Vamos deixar pra vocês aqui agora a parte da live em que o presidente da república comenta sobre o 13º do bolsa família.