PIX: A novidade que vai revolucionar a forma como você faz pagamentos

Pix Logo

Você já ouviu falar no Pix, o novo sistema de pagamentos rápidos do Banco Central?

O Banco Central (BC), na quarta-feira (dia 12 de agosto), anunciou oficialmente e aprovou o regulamento do Pix, o novo sistema de pagamentos instantâneos.

O lançamento oficial do Pix está programado para o dia 16 de novembro, mas o início do cadastramento de chaves está previsto para o dia 5 de outubro.

Como aplicativos e serviços de pagamento rápido têm sido cada vez mais usados pelos brasileiros por conta de sua praticidade, separamos aqui as informações mais importantes sobre o Pix, pra você ficar por dentro desse novo sistema. 

Antes de tudo, é preciso entender o que são os pagamentos instantâneos e como eles funcionam.



O que são pagamentos instantâneos?

O pagamento instantâneo (ou pagamento rápido) é um tipo de transferência onde o dinheiro sai de uma conta e cai quase que instantaneamente na outra, já que não existe a interferência de nenhum tipo de intermediário. 

Isso significa que não é necessário esperar o boleto compensar ou os horários de funcionamento do TED e DOC, já que, segundo o Banco Central, as transações podem ser feitas 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias por ano. 

Agora que você já sabe como funcionam os sistemas de pagamento rápido ou instantâneo, chegou a hora de conhecer o Pix. 



O que é o PIX?

Ele é o sistema de pagamento rápido do Banco Central do Brasil, e promete realizar as transferências em, no máximo, 10 segundos. 

Além disso, pela praticidade e os baixos custos de operação, a expectativa é de que ele facilite ainda mais as transações monetárias e permita a inclusão de mais pessoas no sistema financeiro. 

Dentre as principais características do Pix, incluem-se:

  • Disponibilidade: funcionamento 24 horas, todos os dias
  • Velocidade: transferências realizadas em até 10 segundos
  • Conveniência: sistema inclusivo e fácil de acessar
  • Segurança completa das transações e informações dos usuários, protegidas pelo Banco Central
  • Ambiente aberto: o Banco Central provém a plataforma, que pode ser acessada por todos com igualdade nas condições de uso
  • Multiplicidade de casos de uso: podem ser feitos pagamentos entre pessoas, de pessoas para negócios, contas de luz, água e até impostos.
  • Informações agregadas: possibilidade de adicionar dados para a transferência, como o motivo de realização e a data a que se refere. 



Como fazer pagamentos através do PIX?

Segundo o Banco Central, por ser rápido e de fácil acesso, o sistema vai permitir pagamentos entre pessoas, de pessoas para empresas, entre empresas, de contas de luz e água, impostos, salários e benefícios sociais. Ou seja, praticamente tudo vai poder ser pago pelo Pix.

Os pagamentos por meio da plataforma Pix poderão ser feitos de três formas principais:

  • QR Code (estático ou dinâmico)
  • Chave de endereçamento
  • Compras online e e-commerce

Vale lembrar que o Pix não será um aplicativo e sim uma plataforma para a realização de pagamentos rápidos. 

Dessa forma, o contato dos usuários com o Pix será feito por meio dos aplicativos dos próprios bancos e instituições financeiras. 



Pix: Pagamento por meio de QR Code

Existem dois modelos para o pagamento por meio de QR Code: o estático e o dinâmico. 

QR Code Estático

O QR Code estático é o modelo que é gerado apenas uma vez, podendo ser reutilizado para diversas vendas. Nesse caso, o estabelecimento imprime o QR Code e deixa colado na sua loja ou barraquinha. 

O valor pode ser pré-programado ou deixado em aberto e estabelecido de acordo com cada compra. 

Para o pagamento por meio do QR Code estático, o usuário abre o aplicativo da sua instituição bancária, clica na opção de pagamento instantâneo, define a transação como pagamento e faz a leitura, por meio da câmera do celular do código gerado pelo recebedor. 

A partir daí, o pagador confirma as informações do pagamento, insere a senha do banco e autoriza a transação. Tudo muito simples e fácil.



QR Code Dinâmico

Já o QR Code Dinâmico é o modelo onde um novo código é gerado a cada transação, não havendo reutilização do mesmo código. 

A transação por QR Code dinâmico segue os mesmos passos da feita por QR Code estático. 

Os pagamentos por meio de chave de endereçamento serão feitos da seguinte forma:

  1. O usuário acessa o aplicativo da sua instituição bancária e clica na opção de pagamento instantâneo
  2. Define se será pagamento ou recebimento
  3. Ao definir pagamento, seleciona o tipo de chave para identificar o recebedor (como número de celular, CPF/CNPJ ou endereço de e-mail)
  4. Com o dado da chave de endereçamento, a plataforma cruza as informações do recebedor da transação e retorna ao pagador, que poderá conferir se aquela é de fato a pessoa ou empresa para quem ele quer transferir.
  5. Com as informações confirmadas, basta selecionar o valor, informar a senha do banco e confirmar a transferência.

Vale lembrar que todas as informações dos usuários do Pix serão armazenadas numa base de dados do Banco Central de forma segura.



Pix: Pagamento por meio de Links

As transações do Pix também poderão ser feitas por meio de links inseridos em sites de compra online. 

Dessa maneira, ao invés de escolher um método de pagamento como cartão de crédito ou boleto bancário, o usuário terá a opção de pagar via Pix. 

Ao selecionar esse tipo de pagamento, ele será redirecionado para uma página onde estarão disponíveis as informações do pagamento. 

Quem poderá usar o PIX?

De acordo com a Circular nº 3.985 do Banco Central, que estabeleceu os critérios para o uso do Pix, todas as instituições financeiras de pagamento com mais de 500 mil contas de clientes ativos deverão oferecer o pagamento via Pix. 

As contas englobam tanto contas de depósito à vista quanto depósito e poupança e contas de pagamento pré-pagas. 

Apesar disso, toda instituição financeira ou de pagamento que quiser fazer uso da plataforma poderá fazê-lo de forma voluntária, incluindo aqueles que ainda não atingiram o limite para requerer a autorização de funcionamento. 

Para saber se a sua instituição financeira está em processo de adesão ao Pix, é só clicar aqui no link.



Além de possibilitar uma maior facilidade e inclusão de usuários aos sistemas financeiros, o Pix também promete rastrear o uso de atividades ilegais e uma diminuição do uso de cédulas, que possuem alto custo de produção e trazem malefícios para a segurança e saúde pública. Dessa forma, o Pix promete ser uma ótima opção tanto para quem compra como pra quem recebe. 

E então, o que achou do Pix? Comenta aqui embaixo a sua opinião sobre mais essa novidade.