CICLO PDCA EXEMPLO PRÁTICO

CICLO PDCA EXEMPLO PRÁTICO

CICLO PDCA EXEMPLO!

Neste artigo vamos apresentar, de forma objetiva, um exemplo prático e real sobre a utilização do CICLO PDCA.

O CICLO PDCA é uma ferramenta da qualidade total, também conhecido como Ciclo da Melhoria Contínua. Trata-se de uma ferramenta largamente utilizada por empresas bem sucedidas em todo o planeta.

PDCA é um acrônimo em que cada letra representa uma palavra:

  • P (Plan – planejar)
  • D (Do – executar)
  • C (Check – checar – controlar)
  • A (Act – agir)

Se você quiser saber mais detalhes técnicos sobre este assunto, recomendamos que assista ao vídeo a seguir. Nele, explicamos de forma mais técnica como funciona esta ferramenta.

Então… Vamos ao caso concreto…

Recentemente, chegou aqui no Instituto Montanari um caso de uma empresa com graves problemas financeiros…

Como muitas outras empresas, ela estava fechando no vermelho há algum tempo e, com muita frequência, utilizava o limite do cheque especial da conta corrente. Para fechar o ciclo de dívidas, ainda tinha que recorrer a empréstimos complementares regularmente.

Diante do cenário desafiador, uma das primeiras ações que tomamos foi levantar os custos da empresa e definir os limites para estes custos. De algum modo, precisávamos ter alguma previsibilidade de caixa e trabalhar duro para que as expectativas e projeções se concretizassem na realidade.

Após definir esses limites, começamos a planejar como seria o mês que ainda estava por vir…

Na prática, o que estávamos fazendo com isso era nos planejar para o mês posterior, do ponto de vista financeiro. Com isso, a meta número um era: não podemos deixar que os limites pré definidos sejam ultrapassados!

A seguir, começamos a execução!

Os dias se passaram e fomos registrando toda a movimentação financeira, observando tudo ser executado, mas de olho nos limites.

Em um determinado momento do mês, mais ou menos na segunda semana, avançamos para a fase de checagem (o “C” – Check) do ciclo PDCA. Era hora de checar tudo e descobrir se os limites pré-estabelecidos estavam sendo obedecidos…

Para a nossa felicidade, observamos que todas as categorias de custos estavam dentro dos seus respectivos limites, já na segunda semana. Exceto um custo específico que estava quase ultrapassando o seu limite.

De imediato, agimos (“Act” do PDCA)!

Tomamos algumas decisões importantes, realocando alguns custos, e também entramos em contato com fornecedores para renegociar alguns prazos.

O próximo passo foi voltar para o Plano (“P” do PDCA) e atualizá-lo com os novos limites.

Feito isso, voltamos para o execução (“D”), checamos (“C”) novamente no final do mês e voltamos a agir (“A”) sempre que necessário.

Com isso, criamos uma sequência de atos ao longo de vários meses repetindo o ciclo sem deixar nada importante cair no esquecimento.

Após algum tempo, com a estabilização dos limites dos custos, conseguimos tirar a empresa do negativo e a conduzimos a um ciclo virtuoso e positivo, em que o estabelecimento não só conseguiu pagar as suas contas, como começou a dar lucro de fato.

Finalmente colocamos o negócio novamente nos trilhos, alcançando objetivos que os gestores e proprietários almejavam há muito tempo.

Com o “PDCA” e com conhecimentos específicos de gestão financeira, conseguimos reverter a situação e superar o desafio.

Atualmente, a empresa vai muito bem financeiramente e vem apresentando um crescimento muito interessante a cada ano.

Deixe uma resposta