Tutorial completo: Como fazer a Declaração do Imposto de Renda 2020

Se você está fazendo a sua Declaração do Imposto de Renda pela primeira vez ou se já fez antes, mas ainda tem dúvidas, preparamos esse texto especialmente para você.

Vamos te explicar tudo o que você precisa saber para preencher corretamente o formulário e conseguir fazer a sua Declaração sem erros.

Declaração do Imposto de Renda: O que é?

De forma muito descomplicada, podemos dizer que a Declaração de Imposto de Renda de Pessoa Física – IRPF é um documento que existe para informar para a Receita Federal todos os rendimentos que você teve no ano anterior, para que ela possa calcular quanto você deverá pagar de impostos sobre tais rendimentos.



Mas, além de informar as receitas, você também deve informar as despesas, pois elas poderão ser reduzidas do seu imposto para:

  • diminuir o valor a ser pago
  • ou até mesmo gerar uma restituição para você no final.

Agora que já sabemos para que serve a Declaração, é importante compreender que há dois tipos: a completa e a simplificada.

Mas como saber qual o tipo ideal no seu caso? Calma, que vamos te explicar.



Declaração do Imposto de Renda Simplificada ou Completa: qual tipo escolher?

Diferente do que muita gente imagina, a escolha pela Declaração simplificada ou completa não tem nenhuma relação com a renda do contribuinte.

O principal fator a ser considerado na hora de optar entre uma das duas opções é observar o volume de despesas que você possui para deduzir.

Na opção simplificada você não precisará comprovar as despesas. O programa calcula automaticamente um desconto de 20% sobre os rendimentos tributáveis, até o limite de máximo de R$16.754,34.

Então, se você possui uma quantidade pequena de despesas a deduzir, cuja soma total é inferior a esse limite, é possível que a Declaração simplificada seja a melhor opção.



Agora, se você possui despesas como escola de filhos, dependentes, planos de saúde, despesas médicas, plano de previdência privada na modalidade PGBL, dentre outras, a Declaração completa provavelmente será a melhor opção, uma vez que certamente tais despesas ultrapassam o limite de dedução.

Nesse caso, a opção por uma Declaração completa pode significar mais imposto a ser restituído ou menos imposto a pagar.

Se você já fez as contas e percebeu que o volume de despesas comprovadas que você tem a reduzir é menor que o limite estabelecido, já sabe a sua escolha: Declaração simplificada. Caso contrário: Declaração completa.

Declaração do Imposto de Renda: como preencher o formulário?

Agora vamos te mostrar como preencher a sua Declaração de Imposto de Renda. Fizemos um passo a passo para ninguém ter dúvidas.



O preenchimento será exatamente o mesmo, tanto no caso da declaração simplificada, quanto na Declaração completa. No final, de acordo com o resultado, o programa te ajuda a decidir qual a melhor opção no seu caso.

Etapa 1: Documentos Necessários

Antes de partir para o preenchimento, é preciso reunir todos os documentos que farão parte da Declaração.



Fizemos uma lista para você não esquecer de nenhum:

    • documentos pessoais: CPF, título de eleitor e endereço
    • informes de todos os rendimentos recebidos em 2019. Nessa lista estão incluídos os informes recebidos das empresas que você trabalhou ano passado, do banco e da corretora de investimentos com as aplicações financeiras, se for o caso
    • se você for casado ou casada, vai precisar também do CPF do seu cônjuge e de todos os seus dependentes, de qualquer idade
    • comprovantes de despesas médicas, odontológicas e hospitalares, suas e de seus dependentes. Despesas com psicólogos também entram nessa lista.
    • comprovantes de despesas com educação, sua e de seus dependentes.
    • comprovantes de pensão alimentícia, desde que homologada pela Justiça.
    • comprovantes de compra e venda de bens móveis e imóveis.



Etapa 2: baixar o programa IRPF 2020 

O primeiro passo é baixar o programa no site da Receita Federal. A novidade deste ano foi que a Receita também disponibilizou o aplicativo “Meu Imposto de Renda” para quem quiser fazer a Declaração através de smartphone. O aplicativo está disponível tanto para celulares Android quanto IOS.

Após concluir o download do programa, você deverá instalá-lo no seu computador, para então conseguir acessar o aplicativo.

Etapa 3: iniciar a Declaração

Irá uma aparecer uma tela inicial conforme a imagem. Vamos nos concentrar na opção “Declaração de Ajuste Anual”, que corresponde ao imposto de renda 2019.

Existem três caminhos para iniciar a sua Declaração de Imposto de Renda:



  • importar os dados a Declaração do ano passado.
  • importar uma Declaração cujo preenchimento foi iniciado anteriormente, mas não foi concluído
  • ou iniciar uma Declaração em branco.

Para aproveitar os dados já digitados na Declaração do ano passado e apenas atualizá-los, você poderá clicar no primeiro item. Esse é o caminho mais fácil para quem tem a Declaração do ano passado.

O programa, então, abrirá uma janela para que você importe a declaração feita em 2019, referente a 2018.



Esta deverá estar salva no seu computador. Basta selecionar o arquivo correspondente e clicar em ok.

Se a soma dos seus rendimentos no ano passado ultrapassar R$ 200 mil reais, você é obrigado a apresentar o recibo da Declaração do ano anterior.

Aqui, neste guia, iremos mostrar o passo a passo de como montar uma declaração do zero. Neste caso, selecione a terceira opção “Iniciar Declaração em Branco” e inicie o preenchimento dos seus dados: número do CPF e nome completo. Em seguida, clique ok.

O programa então abrirá uma tela para preenchimento das suas informações: seus dados, dependentes, rendimentos, bens, dentre outros.

O processo é bem simples. O programa já sugere uma lista de itens que você provavelmente precisará preencher, de acordo com o seu histórico enquanto contribuinte.

Você vai clicando em cada uma das caixinhas apresentadas e inserindo os dados corretamente.

Não se preocupe porque todos eles ficam disponíveis ao longo de todo o processo, para conferência e eventuais correções.


Além disso, o programa vai salvando automaticamente tudo que for preenchido. Você não precisa se preocupar em ficar salvando o arquivo toda vez que fizer uma alteração.

Uma outra forma de ir navegando pelas informações a serem fornecidas é através do menu que aparece no lado esquerdo.

Etapa 4: Identificação do Contribuinte

Você deve iniciar pelo preenchimento da identificação do contribuinte com os seus dados pessoais: nome, título de eleitor, data de nascimento e endereço completo.

No preenchimento da ocupação é preciso primeiro identificar a natureza do seu trabalho e depois a sua ocupação principal, ou seja, a sua profissão. O programa dispõe de uma série de opções e você escolherá aquela que corresponder à sua atividade.

Etapa 5: Dependentes 

Em seguida, é necessário informar quem são os seus dependentes.



A partir desse ano a Receita Federal obriga que conste na Declaração do Imposto de Renda o CPF de todos os dependentes declarados, não importando a idade deles.

Para a inclusão de um dependente, deve-se clicar em “Novo” e inserir os dados do dependente: nome completo, CPF e data de nascimento.

O total de dedução por cada dependente é R$ 2.275,08.

Etapa 6: Alimentandos

Aqui devem ser declaradas as pessoas que recebem pensão alimentícia por decisão judicial.

Para incluir um alimentando você deve clicar em “Novo”, inserir os dados do beneficiário da pensão: CPF, Nome Completo e data de nascimento. Depois, basta clicar “ok”.

É importante observar que a mesma pessoa não pode ser Dependente e Alimentando ao mesmo tempo. Então, uma pensão for paga sem decisão judicial, o a filho ou ex-cônjuge deve ser informado no campo Dependentes e não no Alimentandos.

Etapa 7: Informe de Rendimentos

As informações existentes no informe de rendimentos que você recebeu da sua fonte pagadora servirão para preencher as próximas fichas:

    • Rendimentos Tributáveis
    • Rendimentos Isentos e Não Tributáveis
    • Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva ou Definitiva



Rendimentos Tributáveis

Seguindo o padrão do formulário, deve-se clicar em novo e preencher com as informações solicitadas:

  • CNPJ da fonte pagadora
  • nome da fonte pagadora da forma que está no informe
  • rendimentos recebidos
  • contribuição previdenciária, se houver
  • o imposto de renda retido na fonte
  • 13º salário
  • e o imposto de renda retido na fonte sobre o 13º salário

Se você tiver mais que uma fonte pagadora, o procedimento deve ser feito para cada uma delas.

Rendimentos Isentos e Não Tributáveis

Se no informe recebido das suas fontes pagadoras constar informações sobre Rendimentos Isentos e Não Tributáveis, essa informação deverá ser declarada na aba específica, marcando o tipo de rendimento e o valor recebido.

Se você tiver recebido uma herança em 2019, essa informação deverá constar neste campo, desde que o processo de inventário já tenha sido concluído. Caso contrário, essa informação deverá constar em espólio.

Nesse campo também deverão ser declarados os dividendos recebidos de investimentos.

Etapa 8: Imposto pago ou retido

O programa preenche essa aba quase automaticamente. A única informação que você precisa acrescentar é referente ao Imposto Complementar, caso você tenha optado por recolher este, que é recolhimento facultativo.



Ele é normalmente utilizado pelas pessoas que recebem rendimentos de mais de uma fonte pagadora.

Etapa 9 – Pagamentos e Doações

Todos os pagamentos efetuados em 2019, constantes na lista de pagamentos dedutíveis e que você tenha guardado o recibo podem ser declarados. Essa ficha é especialmente importante para as pessoas que farão Declaração de Imposto de Renda Completa.

Ao clicar em novo, o programa apresenta as opções de pagamentos que poderão ser incluídos.

O mesmo procedimento é válido para a aba seguinte, que só deverá ser preenchida se você tiver doado algum bem ou valor em 2019, conforme a listagem existente no próprio formulário.

Etapa 10 – Bens e Direitos

Nesse campo você irá declarar todos os bens que você possui, como dinheiro em banco, imóveis, veículos, dentre outros bens.

O procedimento funciona da mesma forma que os anteriores. Você clica em “Novo”, escolhe uma das opções existentes e preenche os dados solicitados.

Declaração do Imposto de Renda
Declaração do Imposto de Renda

Etapa 11 – Dívidas e ônus

Nesse campo deverão ser preenchidos os empréstimos existentes em nome do titular da Declaração.

Etapa 12 – Importações

Essa ficha deverá ser preenchida caso você se enquadre nas seguintes opções:

    • tenha recolhido carnê-leão
    • tenha tido ganho de capital com a venda de algum bem
    • tenha recebido aluguel de algum imóvel
    • tenha realizado atividades rurais



Etapa 13 – Declaração simplificada ou completa?

Após realizar o preenchimento de todos os seus bens e direitos, confira na aba existente no canto inferior esquerdo se a melhor opção é a Declaração Completa “Por Deduções Legais” ou a Declaração Simplificada “Por Desconto Simplificado”.

O programa automaticamente calcula quanto você teria de restituição a receber ou o valor do imposto a pagar, nas duas opções. Você então opta pela opção que for mais vantajosa.

Declaração do Imposto de Renda
Declaração do Imposto de Renda

Etapa 14 – Conferência final e transmissão

Calma que já está acabando.

Finalmente, clique em verificar pendências. Se o programa tiver identificado alguma inconsistência, clique diretamente na informação apresentada que ele te leva diretamente para a informação que deverá ser corrigida.



Caso contrário, pode clicar em transmitir e finalizar a sua Declaração.

Prazo para enviar a Declaração do Imposto de Renda

Devido à pandemia causada pelo novo coronavírus, a Receita Federal adiou para o dia 30 de junho o prazo final para a transmissão da Declaração do Imposto de Renda 2020.

Esperamos que você tenha solucionado grande parte das suas dúvidas com esse tutorial. Continue acompanhando que nos próximos posts iremos aprofundar em alguns temas que mais geram dúvidas na hora de fazer a Declaração do Imposto de Renda.