Economia Mundial em Recessão
economia mundial

Economia Mundial em Recessão

A incerteza econômica causada pelo Covid19 deve custar R$ 4,7 trilhões à economia mundial em 2020, ela deve desacelerar e crescer menos de 2%, prevê a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e  Desenvolvimento (Unctad).

O vírus causa instabilidade nos mercados financeiros mundiais, preocupações sobre a cadeia de suprimentos mundial e incerteza no preço do petróleo, poucos países devem escapar aos seus efeitos.



Veja a seguir um gráfico ilustrativo da previsão de crescimento mundial em 2020:

economia mundial
economia mundial

Um importante economista de Obama, em entrevista com a Business Insider, diz que existe “um perigo real”: a recessão eminente de corona vírus pode ser pior do que a crise financeira de 2008.

Nos últimos sete dias, as ações continuaram em queda livre e registraram seu pior resultado desde a crise financeira de 2008, demissões estão subindo e indústrias inteiras podem ser demolidas como consequência.



Mas vocês devem estar se perguntando, quais são os efeitos da recessão e o que exatamente ela significa para a economia mundial…

Bom, primeiramente recessão econômica é quando o PIB de um país diminui por dois trimestres consecutivos, ou seja, a recessão diz respeito a contração da economia.

Alguns dos principais sinais de recessão econômica são:

  • Redução dos níveis de produtividade das indústrias.
  • Aumento do desemprego entre setores produtivos da sociedade.
  • Diminuição da renda das famílias.
  • Queda dos níveis de investimento.
  • Crescimento muito baseado no consumo.
  • Política de controle econômico com relaxamento das taxas de juros.
  • Bolhas econômicas em diversos setores da economia.

Os efeitos são drásticos e podem prejudicar o país num futuro próximo.



Como sair com a economia mundial em recessão?

Superar uma crise econômica não é uma missão fácil, geralmente é necessário a criação de uma série de pacotes econômicos, com redução de juros e de austeridade por parte do governo.

Um ponto importantíssimo, é quem será designado para governar o país em crise. A formação de uma equipe econômica experiente para analisar o cenário e traçar estratégias faz parte do processo.

A recessão econômica influencia diretamente os mercados de importação e exportação, por isso a preocupação da maioria dos países investidores é os Estados Unidos da América.

Justamente por ter grande influência econômica e exercer um grande poder sobre organismos financeiros internacionais, além de possuir medidas ou políticas protecionistas em relação a entrada de produtos estrangeiros em seu país, criando taxas alfandegárias.



Donald Trump parece estar ansioso para retomar o máximo da economia possível ao normal em questão de dias.

O atual presidente, entrou em uma onda no Twitter instando a economia dos EUA a voltar aos negócios como de costume, começando já na próxima semana, isso irá estabelecer um conflito com estados individuais e especialistas em saúde pública que estão bastante preocupados com a propagação do corona vírus, e por isto estão exigindo medidas de contenção ampliada.

No final da noite de domingo (22), Trump publicou um tuíte dizendo “não podemos deixar a cura ser pior que o próprio problema”, dizendo ao final de um período de 15 dias de grande atividade econômica interrompida, finalizou este tuíte dizendo: “tomaremos uma decisão sobre qual caminho seguir”.



Este foi o tuíte:

economia mundial
economia mundial

Além disso, o Federal Reserve anunciou nesta segunda-feira (23), novos programas para ajudar a economia dos EUA em meio à pandemia da coronavírus, entre eles, incluem a compra ilimitada de títulos e o estabelecimento de três instalações para apoiar empresas, consumidores e empregadores.

Como fica o Brasil?

Bom, mas e o Brasil? Como ficará a nossa economia diante dessa pandemia e possível recessão econômica?



 

Em momento de incerteza na economia mundial, os investidores globais tendem a sair de mercados emergentes, como o brasileiro, considerados mais arriscados e buscar segurança em ativos sólidos. Esse movimento é um dos principais culpados pela forte queda da Bolsa Brasileira e a valorização do dólar frente ao real.

O Brasil pode, efetivamente, sentir os impactos da nova crise, caso ela se confirme nos próximos meses.

Jair M. Bolsonaro, atual presidente da república, nesta manhã de segunda-feira (23), esclareceu que a referida MP, resguarda ajuda possível para os empregados. Ao invés de serem demitidos, o governo entra com ajuda nos próximos 4 meses, até a volta ao normal das atividades do estabelecimento, sem que exista a demissão do empregado.

 



 

Mais detalhes relevantes que o atual presidente revelou a mídia, sobre as ações atualizadas do Governo em combate ao coronavírus, são:

  • Projeto de simplificação temporária de regras trabalhistas.
  • Trabalhador e empregador poderão celebrar acordos individuais, respeitando os limites da constituição.
  • Auxílio emergencial de R$15bi para trabalhadores informais.
  • R$5bi para pequenas e micro empresas.
  • Facilitação e renegociação de créditos.
  • Desburocratização para importação de insumos e matérias primas.
  • Prorrogação do prazo de pagamento do FGTS, injetando R$30bi na economia.
  • Adiamento do pagamento do Simples Nacional, com economia de R$22,2bi para pequenas e médias empresas.
  • Redução de 50% nas contribuições para o sistema S , beneficiando empregadores.
  • Permitiu a suspensão do contrato de trabalho por até 4 meses sem salário.
  • Antecipação de parcela do 13° de aposentados e pensionistas.
  • Suspensão da prova de vida por 120 dias, sem interromper os pagamentos-INSS.
  • Antecipação do abono salarial para junho, injetando R$12,8bi na economia.

Esperamos que o Governo Federal juntamente com a Justiça, o Congresso, Estados e Municípios juntos, construam uma saída estrutural federativa, para vencermos essa fase.



Assista esse vídeo:



Deixe uma resposta