O que você pode pagar com PIX? Veja as opções disponíveis

O que você pode pagar com PIX? Veja as opções disponíveis

  • Post category:PIX

É possível pagar com PIX muita coisa até o momento e ao longo de 2021 serão ofertadas ainda mais as opções para os usuários. Parece ficção, mas não é. O pagamento instantâneo brasileiro é prático, rápido e seguro. Ele está funcionando desde o dia 16 de novembro de 2020.

O PIX é o meio de pagamento criado pelo Banco Central (BC) em que os recursos são transferidos entre contas em poucos segundos, a qualquer hora e em qualquer dia. Ele pode ser realizado a partir de uma conta corrente, conta poupança ou conta de pagamento pré-paga.

Ele pode ser acessado por diversos canais de atendimentos, sendo que cada instituição financeira oferece aos seus clientes os acessos que podem ser celular, internet banking, agências físicas e caixas eletrônicos. Também é possível que algumas instituições ofereçam acesso ao PIX por meio de correspondentes bancários, como lotéricas, por exemplo.

Quem regula o PIX é o Banco Central do Brasil, mas quem disponibiliza o serviço são as instituições financeiras.

O PIX pode ser usado nas mais diversas situações, listamos algumas:

– nas compras online;

– nas presenciais (em estabelecimentos diversos, mercados, farmácias, cabelereiros e etc.);

– nas recargas de celular;

–  para pagamento de contas por meio de QR Code, basta ler o código com o smartphone ou copiar o código do PIX Copia e Cola para pagar com PIX;

– para jogos em loterias, como Sena, loteria esportiva e outros;

– para pagar GRU (Guia de Recolhimento da União), como taxa de emissão ou renovação de passaporte;

Para 2021, o Banco Central anunciou novidades nas funcionalidades PIX que serão implementadas ao longo do ano, como fazer saques, pagamentos por aproximação, devolução de recursos em casos de fraude, movimentação de conta-salário e integração da agenda de contatos entre usuários que tenham chaves registradas.



Pagar com PIX é seguro?

De acordo com o Banco Central pagar com PIX é muito seguro. A segurança é priorizada em todos os aspectos do ecossistema. Todos os aspectos que dizem respeito à disponibilidade, confidencialidade, integridade e autenticidade das informações foram cuidadosamente estudados e diversos controles foram implantados para garantir o mais alto nível de segurança.

As informações das chaves PIX são criptografadas, assim como as informações dos usuários, além de mecanismos de proteção que impedem varreduras das informações pessoais e indicadores que atuam na prevenção contra fraudes e lavagem de dinheiro. As transações ocorrerão por meio de mensagens assinadas digitalmente que são, também, criptografadas.

A criptografia, de forma bem simples, é um conjunto de técnicas para cifrar a escrita, é como se ela embaralhasse o conteúdo que você envia usando uma fórmula (o algoritmo) e uma chave secreta. Somente aqueles autorizados a receber a mensagem tem a “chave” para descriptografar o texto. Ela é uma solução de segurança versátil.



Qual a diferença entre pagar com PIX e outros meios de pagamento?

Os meios de pagamento eletrônicos disponíveis antes do PIX eram o boleto, TED, DOC, transferências e cartões de pagamento de débito, crédito e pré-pago. Existem diferenças entre pagar com PIX e esses outros meios de pagamento como a flexibilidade de dia e horário do PIX, e também a gratuidade do mesmo. Os outros meios de pagamento ainda estão todos disponíveis para a realização das transações financeiras.

Para efetuar um TED ou um DOC o recebedor precisa fornecer diversos dados pessoais, como banco, número da agência, número da conta, CPF ou CNPJ, além disso os recursos não são disponibilizados instantaneamente e eles tem horários específicos para serem realizados. Diferentemente do PIX que pode ser feito em qualquer dia e hora, os recursos são disponibilizados instantaneamente e basta que o recebedor forneça sua chave PIX.

Os cartões de débito e crédito, geram despesas de administração para quem recebe e de manutenção para quem paga. Assim como o boleto que tem um custo elevado para o credor, além de não ter o recurso disponibilizado em tempo real.



Deixe uma resposta