Taxa Selic: Copom mantém juros a 2%, como isso afeta a sua vida

Taxa Selic: Copom mantém juros a 2%, como isso afeta a sua vida

A taxa Selic é a taxa básica de juros do país.

Selic é a sigla para “Sistema Especial de Liquidação e custódia”.

Os títulos usam títulos públicos federais como garantia realizam operações de empréstimos. Todas essas operações realizadas em um dia entre os bancos é o valor averiguado da SELIC. O sistema no qual são operados esses títulos é a SELIC.

Dentro dessa mercado de operações o Banco Central também opera para garantir o alinhamento da taxa com a meta Selic. Ela é definida pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central (COPOM).

As operações financeiras em geral, como, empréstimos, financiamento e aplicações, são reguladas pela taxa Selic, ou seja, ela regula todas as taxas de juros do país.



Taxa Selic e os juros pagos pelo consumidor

Quando o consumidor realiza uma operação, por exemplo, de financiamento, os juros que ele paga são sempre maiores que a Selic.

Isso acontece porque a taxa Selic é apenas uma referência para outras taxas de juros e para remunerar investimentos que estejam atreladas à ela, ou seja, não representa o valor exato dos juros que serão cobrados dos consumidores.

Outro fator que faz com que o valor pago pelo consumidor seja maior que a taxa Selic é que outras taxas estão embutidas na operação, como taxas de risco de calores, impostos e compulsórios, despesas administrativas, além de embutir uma margem de lucro.



Taxa Selic e a poupança

A Medida Provisória que rege a rentabilidade da poupança foi publicada em 2012, no Diário Oficial da União, no dia 04 de maio.

Segundo a medida, foi estabelecido que quando a taxa Selic for de 8,5% ao ano ou inferior, o rendimento da poupança deve ser fixado em 70% da taxa mais a variação da TR.

Quando foi publicada em 2012, a taxa de juros girava em torno de 9% ao ano.

Hoje, 20 de janeiro de 2021, o COPOM decidiu manter a taxa Selic em 2%, apesar dos aumentos dos preços ocorridos nos últimos meses, o que já era esperado por analistas. O que significa que os rendimentos da poupança caíram significativamente desde a publicação da medida provisória em 2012.

Os juros da poupança tem variado, mas as taxas tem se mantido bem abaixo de 0,5%.

Essa decisão do COPOM, de manter os juros baixos, reflete a preocupação sobre os efeitos da pandemia causada pelo novo coronavírus.

Essa decisão, diferente de outras, não veio acompanhada da promessa de manter os juros nesse patamar. Isso significa que as taxas poderão subir de acordo com o comportamento da economia observado entre o dia de hoje, 20 de janeiro de 2021, e o próximo encontro do COPOM que ocorrerá em meados de março. Veja o histórico da taxa Selic desde 1996.



Taxa Selic e a inflação

O Conselho Monetário Nacional (CMN) estabelece uma meta para a inflação e a taxa Selic é o principal instrumento do governo para tentar controlar a inflação.

Foi estabelecida para 2021 a meta de 3,75%, sendo que há uma tolerância de 1,5% para cima ou para baixo. Isso quer dizer que a inflação deve, preferencialmente, variar entre 2,25% e 5,25%.

Com a recente alta nos preços dos alimentos a inflação projetada pelas instituições financeiras indicam que ela deve terminar o ano em 3,43%.

Os juros mais altos estimulam a poupança, diminuem o crédito, uma vez que ele se torna mais caro, e, assim, cumprem o objetivo de conter a demanda. Ao contrário, quando os juros estão mais baixos, o crédito é favorecido, bem como o consumo e produção.

Toda esse malabarismo em torno da taxa Selic resume-se em equilibrar o mercado e garantir que a inflação se mantenha dentro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional.

Portanto, a taxa Selic faz toda a diferença na vida do cidadão brasileiro, uma vez que ela vai determinar como serão financeiramente os destinos da nação.

Para ler mais sobre a taxa Selic, clique aqui.



Deixe uma resposta